Minha cidade temperada

Imagem107
 
Clima em Curitiba tem personalidade. Isso acontece a tal ponto que, em outras cidades, você até pode usar o clima como assunto típico de amenidades com quem não se quer falar de verdade, mas em Curitiba é diferente. Aqui, clima é assunto oficial a ser tratado com respeito.
 
Da última vez que zangaram o clima por aqui, ficou sem chover um tempão. Isso foi em 2006. Só que agora, em pleno ano que se renova, alguém deixou o tal do clima bem puto. Tenho quase certeza que ainda não apareceu o sol de 2008 nessa cidade. No Pólo Norte, isso pode ser até normal e consideremos que, em Curitiba, também é.
 
O difícil é andar nas ruas descuidado e esperar que o povo desvie. Ou torcer para que aquele seu conhecido – que é conhecido mesmo, quase amigo – passe por você com um “oi” entusiástico. Apertar as mãos então, ou falar no elevador, nem pensar. Fique contente com um “oi”, “bão”, “susse” ou “dia”. Depende da tribo, idade, sexo e profissão do cumprimentado. “Que frio” é tabu e redundância, afinal em algum minuto de qualquer dia do ano vai fazer frio e calor e outono e primavera e solstício e lua encoberta e céu nublado e sol tímido.
 
Só que temos que confessar que o silêncio e a seriedade é o que nos resta. Afinal, que amenidade melhor que o clima para conversar? Não existe. Definitivamente não. E, apesar disso, não podemos tratar o nosso clima como tal para que ele não fique puto. Então, resta quase nada para que esse povo sofrido converse. Silêncio e seriedade.
 
Daí vem o fator anti-social tão comentado. As pessoas preferem retornar para suas camas, cobertores e edredons a conversar, serem simpáticas ou, até mesmo, flertarem com alguém desejado. Não existe fábrica da Jontex em Araucária, nem na CIC, e vou dizer a verdade: é para facilitar a logística para os mercados verdadeiramente consumidores. Também não vendemos viagra em profusão e DIU é coisa pra mulher de outra cidade. Brincadeira ou não, é engraçado de se pensar.
 
Eu culpo o clima. Culpo as 18 estações cinzas de um só dia sem o menor raio de sol. Culpo as zonas climáticas de clima temperado desse país bonito por natureza. E, olha só, em fevereiro pode até ter carnaval, mas não em Curitiba. O povo até tenta, mas somar cinza com pessoas sem amenidades pra falar e que vivem pensando em voltar para a cama não é a melhor maneira de se fazer samba. Portanto, nada daquele que foi cantado como a ofegante epidemia.
 
Agora, uma coisa é verdade: pra falar mal de coração e de forma coerente, só quem nasceu e morou aqui. Os de fora se aventuram e falam mal, mas no fundo querem ficar e gostam superficialmente ou por conveniência ou dinheiro ou todas as opções. Agora, falar mal da cidade da gente é igual falar mal da própria família, só quem pertence é que pode.
 
Isso porque a gente, Sr. Dalton, entende melhor as vicissitudes do tempo de ar carregado, direto e úmido da nossa temperatura inconstantemente temperada. Não é mesmo? É até mais. É carinho debaixo das cobertas, é chocolate quente na caneca da vó, é conversar sozinho enquanto esfrega as mãos após sair do banho. É esquecer o cheio do sol direito e amar a cidade.
 
E pode me perguntar que não tenho dúvidas ao afirmar: “Eu amo Curitiba.”

 

 
 

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Minha cidade temperada

  1. Marcos Alfred disse:

    Muito bom!
    Curitiba é assim mesmo… Se melhorar um pouco, vira Bucetiba.
    Cara, ontem escutei a resposta mais depressiva que alguém pode dar para a pergunta: "Eaí? Onde vai passar o carnaval?"
    Se não me engano, a resposta é de Simão, o macaco:
    VOU PASSAR O CARNAVAL EM CURITIBA, E COM A NAMORADA MENSTRUADA.
    hehehehe
    Pior que isso… Bom… Pior que isso…
    Ah… Deve ter alguma coisa pior que isso.
    Abraço!
     
     
     
     
     

  2. Ma disse:

    Quer dizer que eu como forasteira nojentinha não posso falar mal de Curitiba?… Xii.. você chegou uns anos atrasado.. estou vivendo nesse pecado de maldizer a cidade há anos… hahaha.. Hum.. tá vendo porque eu nunca quero falar do tempo com você? :-p

  3. Mell disse:

    Te espero no meu spaces, não é tão bom qto o seu,
    mas ficaria muito feliz com tua presença por lá.
     
    Mercya

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s