Frio de Abril

fantástico mundo com café

 

Em tempo de aniversário, o sol da minha cidade permanece e aparece aquele frio de começo de manhã, final de tarde e início de noite.

Como se fosse para fazer minha vontade, o primeiro vento gelado do ano chega, com o nome de Frio de Abril. É nesse dia do ano que tiro pela primeira vez minha blusa do guarda-roupa, mas sei que faço muito mais pelo conforto que só o agasalho traz do que qualquer outra coisa.

Aumento também o consumo daquele café quente com pão feito na hora. Não tem coisa melhor em tempo de Frio de Abril. Se não acho em casa, corro para a panificadora esfrego uma mão na outra enquanto espero pelo copo que transborda com a cafeína toda.

Se me encontro longe desse conforto que o agasalho, o café fresco e o pão quente me trazem, procuro escapar. Escapar de companhias e me refugiar numa caverna cheia de mim mesmo. Lá reina o silêncio de algumas frases soltas que aparecem nos meus monólogos esporádicos com a solidão. Frio de Abril e silêncio.

Adiciono a isso, meu cobertor e alguns chocolates meio amargos. Meio para não esquecer que gosto tem viver. Assisto novamente a todos meus filmes e séries preferidas e torço para que os fins-de-semana durem para sempre.

Frio de Abril, silêncio, cobertor, chocolate e cinema.

Num desses domingos, o primeiro do ano depois da chegada do meu Frio de Abril, desgostei do silêncio. Com um quê de solidão, sorri para o espelho do banheiro. Escovei os dentes com água quente e fiz a barba com lâmina fria. Tomei banho e me vesti, sem esquecer do meu casaco. Caprichei na meia: novinha e contrastando com o meu tênis velho da adidas.

Bati a porta e o tal do Frio me recebeu lá fora. Parei por um segundo para apreciar seu cheiro de vento gelado. Logo ele me disse em sussurro:

– Vai.

Mesmo sem saber o que significada aquilo, abri o portão. Sem entender o Frio de Abril, entrei no carro que também contrastava com minhas meias.

Frio de Abril, meias novas, ronco de motor e sensação de tempo de tempo perdido. Fiquei parado no carro ligado em frente a uma casa. Mãos ao volante e pensamento perdido. Eu não tinha destino. Pelo menos, naquele primeiro domingo do mês do meu aniversário, não havia lugar para mim no mundo.

Meias novas num tempo de tempo perdido.

Sem suspiros, dirigi. Como quem foge, como quem corre, como quem não tem porquês, eu estacionei. Não encontrei ninguém especial, conforme esperariam os leitores mais idealistas e românticos. Não havia a paz, a calma, a paciência ou a satisfação. Todos nomes de belas mulheres, aposto. Mas, tenho certeza: elas não estavam lá.

E, naquele primeiro domingo de vento gelado do tempo do meu aniversário, só existia eu e meu Frio de Abril. Por mais que eu caminhasse ao lado de tantas outras pessoas, seria só eu e ele. Por quê? Porque conhecíamos quase todo sonho e esperança, afinal de contas, ele era eu e eu era ele.

 

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Frio de Abril

  1. Marcos Alfred disse:

    É, meu chapa… Primeiro, as águas de Março fechando o verão, agora, o frio de Abril abrindo o outono…E aposto que ano que vem teremos tudo de novo, e AS AUTORIDADES NÃO VÃO FAZER NADA A RESPEITO!!No máximo, uma CPI e pizza no final… Só podia ser no Brasil, mesmo!!Lamentável.

  2. Ana Maria disse:

    Delícia ler esse blog….Pena não ter descoberto antes….

  3. Flavia disse:

    Aqui na terra em que eu moro abril é um mês muito comemorado.
    É quando a Ilha ganhar as cores mais bonitas, quando o céu fica mais azul, o mar assume tons verde-caribe, as árvores contrastam tanto com o azul lá de cima que mais parece a camisa antiga de treino do Palmeiras e as pessoas passam a beber mais vinho e menos cerveja.
    Isso só prá te dizer que, caso o Frio de Abril te canse, eu te ofereço as Cores de Abril.
    E meu café é excelente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s