Descentralização dos sentidos

 
 
Escuto a voz da consciência. Ela me diz: “Tito, meu caro, vai devagar. Pensa melhor antes de falar. Pensa melhor antes de fazer. E seja cuidadoso com sua saúde. Ainda assim, vai lá, Tito, não se preocupa tanto. Não carrega o peso do mundo nas suas costas, seu maluco. Desvia das estradas duvidosas e, ao mesmo tempo, perde de vez o medo de se aventurar. A vida é feita dessas tentativas e aprendemos muito mais com os erros que cometemos com nossas próprias pernas dos que com aqueles que se materializam como alheios diante dos nossos olhos.”
 
Nisso, atravesso a rua, abro o portão e subo as escadas. Mais uma porta, corredor e escadas. Venço a todos. Chego à minha caverna. Não encontro minha força animal, como no Clube da Luta. Ao invés disso, bato no interruptor e a luz acende branca e fantasmagórica. Abro a janela – adoro o vento e a vista – respiro fundo e fecho os olhos por breves instantes, os melhores do meu dia.
 
Volta a voz. “Relaxa. Você realizou tudo que precisava no seu dia. Cumpriu metas, traçou planos, deu aulas, mandou material para gráficas e veículos, imprensa e agência, design e produto. Você fez tudo isso com a mesma vontade de sempre. Com o desejo da superação impulsionando os cotovelos para o alto. Relaxa, Tito. Você precisa de mais tempo. Não o terá no entanto. É ilusório acreditar em falta ou prorrogação nessa etapa da partida. O jogo é só seu. Fala e escreve dos outros por meio de você mesmo. Entretanto, tenha sempre em mente que existem outros jogadores também. E lembre-se do que é mais importante: não há centro nesse universo.”
 
Abro os olhos e vejo todos sem umbigo.
 
 
 

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Descentralização dos sentidos

  1. Ma disse:

    "… And you’ll ask yourself: ‘Where is my mind? Where is my mind? Where is my mind?’… Way out in the water, See it swimming?.."

  2. Marcos Alfred disse:

    Realmente não sei não se o universo tem centro.Mas, se tiver, é no Bacacheri, com certeza.Sobre o umbigo, também estou com dificuldades para enxergar o meu. Mas acho que é culpa dessa minha gaita, praticamente um barril de chopp! heheheheAbraço!

  3. Fabiana disse:

    ADOREI!!
     
    UM BEIJO..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s