O sentido dos abraços


 

 

O que define os abraços é o envolvimento. Braços envolvem, mãos se
encontram e rostos se aproximam. Há um segundo de entrega, em que os perfumes
inebriam e permitem que a mistura de peles aconteça. Dedos e palma da mão
passeiam pelas costas numa dança tátil em que sinestesia traz para perto novos
sons. Descobre-se o que se sente – bem distante da previsibilidade de qualquer
razão – por esse toque. Conhece-se alguém pela intensidade de seus abraços,
pelo movimento de seus braços, pela força das suas mãos e pela conseqüente
expressão em seus rostos. Novos mundos, novas vontades.

 

Então, deseja-se. Desejamos que seja. Desejamos o próximo passo e o
concretizamos em palavra ou gesto. É por isso que muitas pessoas tratam os
abraços como trampolim para beijos de lábio e línguas com misturas de salivas e
tudo mais. Tudo é lindo e puro em seu próprio tempo.

 

Porém, atropelar é queimar etapas. A ansiedade desmonta montanhas,
corrompe as horas. Faz com que não vivamos em sua plenitude o momento de troca
intensa de um abraço sincero. Então, antes que tudo desmorone, a gente busca a
calma em coisas que nem mesmo podemos enxergar. Os agraciados pela paciência ou
controle vivem tais cenas. E nessas se deixam carregar para longe.

 

Há quem diga que é aí, nesses exatos segundos, que vivemos de verdade,
como se fosse pela primeira vez. Desligamos os problemas e nos desvinculamos dos
erros. Desligamos tudo que não é vida. A razão não nos abandona, só que ela não
apita mais nada. Viramos puro gesto, simples abraço.

 

Suspiramos e, como num princípio hermético, o ritmo do mundo se junta
com toda essa calma e com qualquer paciência que nos permite viver. Isso
acontece mesmo que não enxerguemos por sermos humanos e imperfeitos demais, distraídos
demais.

 

Ainda assim, sentimos que existe alguma coisa por ali. Algo silencioso
que palavra alguma define. Algo especial que amolece pernas, causa frios
repentinos em nossas barrigas e nos conduz pelo inesperado, pelo inimaginável.
Surpreendem-se apenas aqueles que desconhecem uma máxima precisa: não há
tangibilidade na magia de um instante.

 

E, diante de tanto, o presente toma uma proporção maior que o passado
distante. O presente do abraço nos faz concluir que é bom estar ali. Só isso.
Tudo isso. Pertencer ao momento é maior que nome ou medo, é se dedicar à força
das mãos e à expressão inconseqüente de rostos. Dedicar-se em intensidade, respeitando
cada rompimento do laço dos quais são feitos nossos braços. Afinal de contas, tão
importante quanto abraçar é deixar viver. Assim, independente do caminho das
coisas e das pessoas, sempre existirão nossos abraços.

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

15 respostas para O sentido dos abraços

  1. Raquel disse:

    "free hugs" pra vc ^^

  2. Felipe disse:

    tks! =)

  3. Andressa disse:

    ai que fofis amei!!!muito lindinhoooooo

  4. mercedes disse:

    O melhor dos abraços é quando não esquecemos deles. Eu lembro. E sinto saudade dos seus.:)

  5. Jefferson disse:

    Abraço bom é aquele que te traz calor e paz. Daqueles que tu sente o coração do outro batento.Alias, isso me lembra uma musica lindissima.http://www.youtube.com/watch?v=PY6OvhGzE7cAbraço.

  6. Felipe disse:

    Um abraço pra todo mundo que comenta. =)

  7. Camilla disse:

    às vezes queremos dizer tanta, mas tanta coisa que acabamos calados e os abraços servem como declarações em silêncio.

  8. Djuliano disse:

    Abraço é legal. Abraço serve pra dizer que gosta da pessoa, que respeita, que parabeniza, que ama, que sente falta. Abraço faz bem. Viva os abraços. Abraços de segundos que duram uma eternidade de sentimentos.

  9. Janaina disse:

    Geralmente passo por aqui e não comento. Mas, depois de ler algumas vezes este texto, não resisti. Lindo. "Tão importante quanto abraçar é deixar viver".

  10. Alexandre disse:

    Gostei do texto, ainda mais a verdade na emoção que você esta passando….Abraço

  11. Pingback: A sutileza dos beijos | O Fantástico Mundo de Felipe Belão

  12. Belão disse:

    =) eu ainda acredito

  13. Kamilla Maia disse:

    – Perfeito demais!

  14. Belão disse:

    Esse foi texto de intensa inspiração =) que bom que percebeu =)

  15. Pingback: A sutileza dos beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s