Ae! Carnaval no Rio, Parceiro!

Tem gente que começa um mês antes, tem gente que deixa só pra sexta-feira, mas o fato é que todos chamam o ponto final de quarta-feira de cinzas. Assim, desse jeito, de avião, com clima cinza da Curitiba para a qual regressei, com ônibus e táxi para uma volta segura, assim, bem assim, acabou meu carnaval. Deixei no Rio meu olhar apaixonado com a vista, alegria, paisagens naturais, povo animado e larguei por lá também minha voz em meio a um grito de carnaval e outro, um samba e outro e uma festa só.  Larguei por lá também um pouco da minha paixão e voltei com muito pouco para cá, disposto a recomeçar. Por essas e por outras, cheguei por esses lados com a certeza de que o carnaval termina com o ano de 2010 e me permite mergulhar em definitivo em 2011.

Sobre as amizades, posso dizer que é a sexta ou sétima edição que passo com os curitibanos mais animados do mundo, o povo mais parceiro e disposto a uma cantaria, uma coreografia tosca e uma esbórnia organizada, uma pândega respeitosa e uma amizade que transcende marchas, gritos e canções. “Ae, carnaval no Rio é isso, Parceiro!” Isso sem contar o troféu pra farra, a coragem de encarar a beleza que poucos vêem, os namoros ocultos ou declarados, as canecas levantadas, a malandragem dos papos pseudo-gringos, as garrafas derrubadas e a capacidade de andar junto mesmo quando todo mundo se perde. Uns milhões de anos podem passar e esse companheirismo hedonista ainda será uma das coisas mais importantes no mundo, uma razão de viver e se ter com quem contar.

Segue na minha memória a imagem dos saltos ritmados em meio à cantoria e à melhor bateria do bloco da Bangalafumenga que deslizava ao lado do Jardim Botânico e sob as bênçãos do Cristo que chegou a se esconder por detrás de uma nuvem ou outra pra dar lugar à felicidade das canções carnais, imortais e celebradas.

Ainda vi passar as bandas pelos postos da praia de uma Copacabana com sua calçada lendária do encontro dos rios do norte bem ali na zona sul. Isso sem contar os blocos pelo Leblon, as caminhadas por Ipanema, às idas trôpegas de ônibus estranhos para uma Gávia de ainda mais festa.

E, quando se imagina que acabaram as novas canções de carnaval, no Botafogo, a gente encontra o Bloco do Sargento Pimenta cantando Beatles com arranjo e harmonia de levantar um povo e nos orgulhar das aliterações do samba.

Porém, os sentidos nunca se emocionaram tanto quanto numa Sapucaí mais do que internacional. Uma escola mais linda que a outra, mas a União da Ilha do Governador superou fogo, incêndio e tristeza, transformou tudo em incêndio de arquibancada e alegria de quem pulava para voar mais alto. Fez lembrar um tempo em que olhava maravilhado à beleza das escolas de samba num colchão na sala de piso de madeira da casa da minha vó que não perdia um segundo. Ela gostaria de saber que passei por lá. Pois está aqui escrito, com foto registrada, minha senhora.

Em definitivo, não me aguentei, não há como segurar e fui levado por essa emoção de viver em festa.

E, quando tudo está desaparecendo em cor e som, encontro nos arcos da Lapa ainda mais sentido e deixo lá o resto da minha paixão pelo carnaval desse 2010 que começou em amor, passou pelo choro e terminou em festa.

Graças aos céus é uma vez por ano só, pois sem voz só me restaram as letras de contar pros outros: viva o Rio!

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em amor, brincadeira, carnaval, intensidade, loucura, Love, música, paixão, Rio de Janeiro, sol, tempo, viver. Bookmark o link permanente.

15 respostas para Ae! Carnaval no Rio, Parceiro!

  1. Aro disse:

    Foi de lavar a alma mesmo. Um tipo de sal grosso, meio confete, que parece que abençoou 2011 e nos deixou mais leves para aceitar, agora sim, um ano novinho em folha, pronto pra ser escrito, nem que seja mudo de felicidade.

  2. Belão disse:

    Verdade, Aro! 2011 veio nessa quinta. Planos são pra agora.

  3. Tali disse:

    Carnaval no Rio de Janeiro perfeito!

  4. Belão disse:

    sim, sim, Tali! o melhor carnaval! há um mistério hedonista no ar carioca.

  5. David, disse:

    Como professor você é brilhante, belão, mas vejo em seus textos alguma amenidade e inofensividade que ao meu ver, os torna tediosos. Seu discurso de formatura foi lindo, mas em seus textos pessoais não vejo tanta atraência, é como a Sandy, bonita, mas não é sexy. Talvez um pouco mais de agressividade, menos voltas.

    Enfim, pode apagar esse comentário depois de ler, é apenas um feedback, pois realmente acho você muito bom no que faz, admiro sua tragetória, mas enfim, alguem tem que falar né?

    Um fraterno abraço.

  6. Lígia disse:

    É isso aí Belão… o carnaval carioca é maravilhoso, e até os que não são muito adeptos da folia, como eu, se rendem aos encantos do Rio. É como diz o poeta: ” O Rio de Janeiro continua lindo. O Rio de Janeiro continua sendo.” Beijos

  7. Belão disse:

    David, textos agradam ou não. eu não leio o que me é tedioso, então, vejo no que você escreveu uma incoerência por acompanhar as coisas que posto por aqui. Agora essas crônicas são detalhes de viver, enquanto viver é bem mais interessante. Tenho textos mais agressivos aqui e vários escondidos. Não gosto de mostrá-los, não preciso. E pode continuar falando. Tem gente que não gosta, tem gente que gosta. E eu gosto de ir levando. Quando aparece quem o critique é porque de fato você está fazendo algo de interessante, dado a burrice da unanimidade.

    Lígia! Valeu! Rio é demais… minhas palavras são do que vi que foi muito pouco, mas intenso o suficiente pra nunca mais deixar esquecer.
    bjos!

  8. Robson Reis disse:

    Como um carioca que mora em Curitiba posso afirmar q o Carnaval no Rio é inesquecível. Q bom q vc gostou da minha terra natal, outra coisa fazia uma era q eu não lia a palavra “pândega” essa vc resgatou lá do fundo do baú, rsrsrs

    Abraço

  9. Belão disse:

    pândega é uma palavra linda. O Rio é demais, Robson. Entendo as várias músicas ainda melhor agora. Abraço e valeu pelo comentário!

  10. Ale disse:

    Não gosto do carnaval, isso você já sabe, mas o que falar do Rio? rssss

    Descrevendo desse jeito até fiquei com vontade de ter participado kkkk

    Abraços

  11. Belão disse:

    Ale! vc teria curtido demais, meu amigo! DEMAIS!

  12. Jessyka Ramona disse:

    haa, por isso que estava moreninho na aula hoje..

  13. Belão disse:

    Jéssyka, até me confundem com o Will Smith.

  14. Belão disse:

    Interessados podem comprar meu livro pelo site da livraria cultura http://trunc.it/faxju
    #vitrinedesonhos

  15. luci disse:

    Senti saudades de ver o Carnaval com a D. Maria.
    Da proxima quero ir junto!
    Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s