Poesia perdida

20120918-001916.jpg

Quando eu penso na poesia perdida, empresto as letras de um grande autor. Sempre escolho um que conheça do amor como jamais respirei ou como sonho viver. Leio e releio e deliro nos sons de um soneto. Desfaço meu dia, desdigo minhas mágoas e reaprendo a contemplar as palavras como um ato de afeto. Abro novas caixas, entendo um pouco mais de mim mesmo. Mais do que ontem, melhor do que sempre. Percebo novamente a luz e suas nuances. O mundo se despe para meu prazer. A solidão vira presença, letra e nunca morte. O filho eterno do poeta se traduz em versos. Novos versos com palavras que sempre estiveram lá. Abro as caixas do som e fúria para deixar escapar todas as estrelas do mundo. Para sempre soltas, rimas brancas num papel amarelado de tanta importância. E, num poema perdido, recordo quem sou.

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em amor, Literatura, Poesia, profissão, solidão, words. Bookmark o link permanente.

8 respostas para Poesia perdida

  1. JuniorGros disse:

    Palavras, discretas fofoqueiras que contam e escondem.

  2. Belão disse:

    Contam da vida que sonhamos, escondem nossos sonhos.

  3. Que gostoso ler isso, me dá a mesma sensação da música “Amor, meu grande amor”. Um amor que existe e só espera pelo ser que será amado. Muito bom sr Belão, beijos!

  4. Anônimo disse:

    Oi Felipe, insônia pelo jeito, hein? Bom, pelo menos você aproveita para escrever e com inspiração… rsss. Um abração véio! Saudades

  5. Belão disse:

    Jessyka, valeu. Poema do bermuda sempre me leva longe…

  6. Belão disse:

    Insônia sempre, ale! Saudades tb, cara! O rock morreu hauhauahhauah

  7. Belão disse:

    Thanks, Lucas. Miss you, my friend!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s