Discriminou, pecou!

Quando eu acho que a estupidez humana não pode ir mais longe, um tal Infeliciano abre a boca. Sério mesmo, não consigo ficar calado diante de tanta besteira. Se a pessoa escolhe o caminho da ignorância, intolerância, preconceito e estupidez ela não pode te representar. Isso mesmo! Seja você de grupo religioso ou de grupo político que defende esta criatura, você tem que entender que pregar o ódio é caminho para o lado negro.

Vou simplificar: discriminou, pecou!

Ninguém é Deus na Terra ou dono de procuração outorgada por Jesus para versar que tipo de amor pode e que tipo de amor não pode. Jesus era só amor, tolerância e perdão. Além do mais, amor é amor. Amor pode de tudo que é tipo. Amor pode até com árvore desde que as duas partes queiram. Amor é expressão máxima da existência de Deus. É o que prova que um Universo inteligente zela por nós todos e nos faz encontrar algum sentido para uma vida tão breve em uma terra tão esburacada por problemas e injustiças.

Agora se você acha que sua mulher é menos que você, você não sabe amar. Se você acha que seu filho tem a obrigação de amar alguém do sexo oposto, você não sabe aceitar ou amar. Se você acredita que homossexualismo atrapalha a família, você não aprendeu o que é família. Se você não valoriza a beleza, a ternura, o carinho e a inteligência que a feminilidade carrega consigo, eu realmente tenho pena de você.

Como escritor e professor, valorizo a beleza, o talento e a alma de cada um dos meus amigos e alunos. Tenho orgulho dos mulatos, dos brancos, dos negros, dos índios, dos amarelos, dos polacos, dos rastafári, dos coloridos, dos cinzas, dos estranhos, dos estrangeiros, dos de qualquer cor. Não vejo pele, não me interessa a conta bancária, tampouco opção sexual.

Percebo que as mulheres conquistaram seu espaço merecido na sociedade e sou a favor de ainda mais, pela competência e por um mundo melhor. Noto também como os negros ainda lutam com um preconceito antigo e ultrapassado e, cada vez mais, vencem barreiras que nunca deveriam ter existido. Enxergo os gays erguerem-se triunfantes, corajosos e sem medo de declarar sua opção de amor. Tenho orgulho de todos estes grupos, assim como tenho dos heterossexuais, dos pobres, dos generosos, dos bonitos, dos feitos, dos magros, dos gordos, dos novos e dos velhos e de quem mais for.

Só não tenho compreensão para oferecer aos que pregam o ódio.

Agora, o que os infelicianos por esse Brasil afora não entenderam é que religião deve girar em torno de amor. Política só serve para construir uma sociedade melhor e mais justa. Lideranças devem estimular comportamentos de paz e unidade.

Entendam que não aumentou a proporção de gays ou mulheres no mundo. Eles apenas decidiram falar, pronunciar-se após séculos de ignorância. Eles não pregam o ódio aos dessa ou daquela religião. Querem apenas poder viver com tranquilidade e igualdade. Não vejo passeatas para te proibir de existir. Portanto, infeliciano, pare com ódio.

Meu conselho é: vá beijar na boca, vá comer chocolate com sua paixão embaixo da árvore, vá deitar abraçadinho no frio, andar de mãos dadas no calor, vá admirar seu filho e filha, vá viver de olhos abertos. Vá amar. Amor: essa é a minha religião e meu partido político.

E chega de nomeação política pra ganhar voto, partidos do meu Brasil. Chega de discriminação, políticos dessa sociedade. Chega de julgamento hipócrita, homens e mulheres falíveis que todos somos. Afinal de contas, vovó já me dizia que quem muito desdenha… quer mesmo é comprar.

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em amor, ética, Brasil, Fraternidade, Liberdade, Paz, política, problemas do mundo, respeito. Bookmark o link permanente.

19 respostas para Discriminou, pecou!

  1. Giovanna disse:

    Muito mais do que concordo! Disse tudo, Belones!

  2. Pricila Carrano disse:

    assino embaixo Felipe!

  3. Belão disse:

    Valeu, Giovanna! =)

  4. Perfeito, Belão! Amei. É isso o que eu penso.
    Parabéns pelo texto fantástico!
    bjo

  5. Belão disse:

    Valeu, Priscila =)

  6. Belão disse:

    Valeu, Ale, sempre =) não podemos ficar calados…

  7. Rebeca Ferreira disse:

    escreve muitooo esse prof lindo!!!
    Belo texto!!! também sou a favor do amor sem medidaaaasss!!!

    beijoos ❤

  8. disse tudo
    está de parabéns

  9. Belão disse:

    Valeu, Rebeca! Amor sem medidas é o único caminho 🙂

  10. Belão disse:

    Valeu, Denise! Bom te ver por aqui 🙂

  11. Anônimo disse:

    Esse é meu Filhão! Esse amor existe!

  12. Laís Iubel disse:

    Super concordo Fê!

  13. Belão disse:

    Valeu, Laís! Saudade de vc e da sua irmã 🙂

  14. Luana Rosa disse:

    Muito bom! =] Fica a dica!

  15. Belão disse:

    Isso aí, Luana! Quero ver o projeto artístico agora ein 🙂

  16. Anônimo disse:

    Sem palavras… Quer dizer só uma! Riqueza!
    bjos

  17. Sheila Gabriela disse:

    Profê, novamente sem palavras para tantas palavras lindas e com um único objetivo, ser feliz…
    bjos

  18. Belão disse:

    Valeu, Sheila! Valeu, anônimo! Riqueza são esses meus leitores. Fazer blog de literatura com esse tanto de visita por dia é um privilégio 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s