O protetor de tua solidão

Image

Cada ano que passa a vida desabrocha mais faceira em devaneios e sorrisos que se perdem em uma bossa nova só minha. E, por conservar esse jeito cuidadoso de me jogar, esbarro em poesias que criamos juntos. E em decisão conjunta nos distanciamos sem dizer uma palavra.

Tu mudaste de cara e de nome tantas vezes que nem sei mais dizer quem amo. Será que amo? Existe alguma dor enquanto recordo tantas histórias diferentes? Não sei responder metade das interrogações que tu carregas como mistério em tua mochila, imagens e vontade de ser livre.

Porém, há abrigos em nossa dança contra e a favor da chuva, contra e a favor das marés, contra e a favor da noite dessa trilha escura de solidão.

Retrocedemos, damos passos pra trás, pra frente só quando eu decido – pensas tu equivocadamente – , pro lado sempre que tu escolhes sorrir e quando teus olhos encontram os meus.

Somos feitos do mesmo elemento: pura vontade que só existe na mais plena expressão de ser livre. Tu és minha intensidade manifesta, meu amor que sobrevoa árvores e encontra no céu a proximidade do sol como seu destino.

Temos o sonho e o desencontro em comum.

Pelos erros da vida, cujo tempo não podemos controlar, tu me deixas ir. Pelos acertos da paixão que insiste em nos unir, o nós-dois ainda existe. Pelo gosto dos beijos imaginados e entregues à chama de um desejo capaz de me fazer feliz, nos declaramos.

No entanto, sou protetor de tua solidão, pois sei bem a importância que ela encerra. E, enquanto isso, eu digo que vou e tu achas graça. És tu quem permites e me observas ir embora. Frases curtas. Poucas palavras. Silêncio. Eu me fecho novamente. O mundo desaparece. Sinto que traí a mim mesmo e que não é a primeira vez.

Lamento apenas até esquecer teu nome, teu rosto. Quando teu beijo teima em não me abandonar, encontro a dor da bossa nova que insisto em manter só minha. Olho no espelho e enxergo um tolo cuidadoso. Tranco o mundo lá fora e revejo meus passos, imagino os teus e vem o sorriso doentio de um grande erro e outro grande arrependimento. O mundo gira, o tempo não para, tu já tens um novo nome e um novo rosto. Teus olhos encontram os meus. Vamos para perto do sol. Ah! A intensidade de nossos beijos! Tu me olhas despedir sorrindo. Clausura e mágoa. Mas no fundo inspiro e transpiro a coragem de proteger tua solidão.

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em amor, esperança, Liberdade, solidão. Bookmark o link permanente.

12 respostas para O protetor de tua solidão

  1. JuniorGros disse:

    Na vida, estamos todos passagem. Assim como, de passagem estão as pessoas em nossas vida e, nós em suas.

  2. Belão disse:

    pois é… e ser protetor de tudo isso é uma escolha séria, Dimir, meu amigo =)

  3. adoro esses encontros e desencontros da vida, amores e desamores.
    isso tudo me fascina a cada dia.

  4. Belão disse:

    sempre me encanto tb, Denise =) Grato por comentar … fique à vontade que a casa é sua…

  5. Lara Bona disse:

    Nesse ir e vir natural… Nos encontros e desencontros… ahhhh… Deixando ou não, um é proteção, outro solidão!
    Inteiramente e às vezes pela metade, suavemente e às vezes bruscamente…
    E sempre fica um pouco do outro em nós, sempre um pouco de nós vai com o outro!

  6. Belão disse:

    Verdade, Lara! vai e retomamos nosso ciclo de coisas e pensamentos e, com sorte, novas paixões…

  7. Belão disse:

    Valeu, Natalia =) são as escolhas =)

  8. Lara Bona disse:

    Isso mesmo Felipe… 😉

  9. Indo para outros rumos…

    Há de se proteger a solidão com acalanto, pois ela não é a “madrasta” que todos descrevem. É – quando estado temporário ou opcional – uma alternativa do estar feliz consigo, em aceitar-se em reclusão. No entanto, acredito que solidão não é, absoluta e inquestionavelmente, sinônimo de liberdade, como todos alardeiam.

    Usarei o velho clichê que o amor “liberta”. O amor na sua plenitude nos traz uma sensação de liberdade que a solidão com a sua introspecção não traz. A solidão sempre gera, inconscientemente, uma expectativa, com a qual alguns aprendem a conviver.

    Já o amor propriamente dito, sem grilhos ou amarras, traz leveza. Faz flutuar. É necessário que tenha asas para saber quando ir e quando voltar. Aqui não falo só do amor sexual, mas o maternal, fraterno, amistoso. Quando você sente afeição por alguém, o mundo se torna mais cheio de nuances.

    E o “pulo do gato” é que quem ama respeita esse dualismo do outro em querer ser só ou também ser livre, mas certamente em nenhum dos casos há espaço para prender ou se aprisionar.

    Nessa liberdade é que surgem diferentes laços: frouxos ou apertados, adornados ou singelos, eternos ou efêmeros . Marcam e fazem dessa liberdade muito mais poética.

    Se você conseguiu aprender a mágica de ser livre e, ainda assim, proteger a solidão do outro, conseguiu alçar um voo maravilhoso.

  10. Belão disse:

    Que comentário lindo! Bem isso que penso 🙂 adorei 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s