Acordo Ortográfico é para poucos

…este é o Prefácio que escrevi com muita honra para minha amiga Débora Corn que em breve lança seu livro espetacular de poesias…

Ao escrever fazemos de conta que sabemos da vida. Projetamos nossos melhores sonhos e todos os nossos sentimentos mais intensos. Discorremos sobre cada detalhe de um ano inteiro em apenas uma linha de verso. Somos completos em cada poema pronto, texto entregue ao universo. Está tudo lá. A intensidade de viver, a mesma força que escolhemos partilhar.

Façamos de conta que sabemos da vida então.

Esse foi o meu acordo ortográfico com a Débora.

Discorrer sobre o tempo percorrido, imaginado, desejado ou que ouvimos falar é nosso desafio. Nosso plano? Quem disse que algum dia tivemos ou precisamos de algum? Poetizar é tarefa para já.

A pesquisa está na paixão por outros textos, mais e mais autores. Outros artistas, pessoas de muitos ofícios e gente simples com brilho no olhar são nosso tema. Além do sempre sonho de amar mais, quem sabe até explodir. Com nós mesmos ou com o mundo que conhecemos. Tudo para que possamos começar um novinho em folha. Folha em branco que logo logo vamos colorindo com a escolha certa de palavras. Somos os ourives de um tempo carente de paixão. Quem escreve o mundo é herói de si mesmo.

E se fazer poetiza foi a tarefa da minha amiga nesses últimos anos. Há quem diga que já nasceu assim pronta, atriz brilhante, professora dedicada. Porém, sabemos que o mundo gira e nos faz caminhar.

Quanta sola de sapato com folha de papel rasgada! Quanto poema espatifado na parede até que esses tão carnais, tão à flor-da-pele ganhassem vida. Vida e mais vida é o que enxergo em sua obra. Um desejo profundo por Zecabaleriar os olhos de quem a lê. Um compromisso absurdo com a pele, com o toque e com o compasso das batidas do coração.

Que todos os acordos ortográficos do mundo sejam celebrados assim: com a ousadia dela de ser sempre talentosa. Afinal, podemos não saber tanto da vida, mas somos cheios de desejo e plenos em nossa própria paixão. Estes nos guiam, nos motivam, nos transformam e nos permitem entregar a cada leitor explosão em versos.

Sobre Belão

Escritor, Professor e Publicitário. Não necessariamente nessa ordem. "Ele soava como um delírio de uma mente cansada da banalidade do segunda-à-sexta. Parecia daqueles que desfilam descuidados pelas ruas, sem se deixar afetar por nada ou ninguém. Com estilo próprio por excelência de consciência e com personalidade mais do que confusa pela falta de linearidade de todas suas idéias, pensamentos, ironias, citações e crises apocalípticas de descontentamento pelo mínimo que o existir exige."
Esse post foi publicado em Amizade, arte, Débora Corn, livro, Poesia, profissão. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Acordo Ortográfico é para poucos

  1. Anônimo disse:

    ah, Felipe façamos de conta que sabemos da vida então. E sejamos heróis de nós mesmos. Vamos caetanear versos por aí… Eu já disse que esse prefácio do acordo ortográfico encheu meus olhos de alegria e meu coração de felicidade, mas direi de novo. (e de verdade e muito).

  2. Belão disse:

    Muito feliz também, Debora =) estamos juntos nessa =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s